Por Augusto Ferreira

O velho 441 observava um ferramenta suando de nervoso do outro lado da rua, seguindo o protocolo de segurança, ele se mantinha a uma distância segura pronto para fazer a abordagem.

Aquilo o incomodava, sentia um aperto na garganta, como se seu corpo dissesse que estava fazendo algo que era errado. Essas eram sensações perigosas para um “controle”, se suspeitassem o que se passava na cabeça dele, poderia ser punido e provavelmente reprogramado.

O movimento do alvo fez 441 tirar os pensamentos da cabeça e voltar ao modo automático. Ele seguiu o ferramenta, sempre com cuidado, até um beco. Como fora treinado, discretamente se esgueirou através de uma parede e espiou o que acontecia.

O coitado do ferramenta se encontrava com um homem suspeito de sobretudo, 441 ajustou o zoom do seu olho para ver com mais atenção.  No rosto do homem suspeito, para sua enorme surpresa, tinha a marca do livro, ele era um bibliotecário, em todos os anos de serviço de 441, ele nunca tinha visto um, imaginava que todos estavam extintos na época da grande fogueira.

441 imediatamente começou a digitar no seu braço o comando para chamar um pacificador. Enquanto isso,  o bibliotecário passava ao ferramenta um pacote médio, seguido por um pacote pequeno. O coitado, nervoso, derrubou o segundo esparramando o conteúdo.

O velho 441 congelou, o conteúdo do pacote eram vários objetos compridos, cilíndricos e coloridos, ele  já  tinha ouvido falar daquilo no passado, e era muito comum entre crianças.

O ferramenta rapidamente recolheu os objetos coloridos, agradeceu ao bibliotecário e correu o mais rápido possível dali. 441 voltou para o modo automático e chamou o Pacificador, imediatamente, o robô redondo flutuante surgiu no beco.

“Ato de violação 04 prepare-se para ser pacificado” Anunciou o robô para o bibliotecário.

O bibliotecário entrou em desespero e tentou correr, todos tentam, mas bastou um raio do pacificador e o coitado foi reduzido a uma sombra na parede.

441 dispensou o robô e correu a procura do ferramenta. Infelizmente,  para ele era horário de saída das fábricas, então, vários ferramentas como foram programados marchavam, em perfeita sincronia, até suas moradias.

O velho com sua experiência observou o movimento, buscando algo que saísse do padrão, rapidamente identificou o ferramenta defeituoso que marchava fora de sincronia.

Novamente, seguiu a uma distância segura até uma moradia de ferramentas. Sempre oculto, esperou seu alvo entrar e caminhar até o apartamento dele.

441 parou na frente da porta do ferramenta defeituoso, o número era 41, sentiu o aperto na garganta, por um momento de loucura pensou em ir embora, mas sabia que seus movimentos eram rastreados e iria pagar se cometesse uma falha.

Então, seguindo o protocolo, acionou o computador  em seu braço e digitou “ferramenta moradia A0256 habitação 41”.  O computador mostrou o interior da habitação do ferramenta.

O coitado, obviamente sem saber que era vigiado, tentava se comunicar com algo que 441 não conseguia ver.

O velho rotacionou a câmera, usando a tela do seu computador para visualizar melhor o que acontecia. Para sua surpresa, o coitado estava falando com um filhote de ferramenta.

Ele desesperado tentava empurrar para o filhote  um livro e os objetos cilíndricos coloridos, mas o filhote  ignorava o coitado. Ele como programado mantinha-se em seu tablet estudando sobre o Império.

Aquilo foi demais para o velho 441 que no reflexo desligou o computador. Quase que imediatamente um pacificador surgiu atrás dele. O velho sentiu o metal frio do robô em suas costas.

Assustado virou-se rapidamente em direção ao pacificador que permanecia estático e ameaçador. 441 acreditava que era seu fim, ele se tornaria apenas mais uma sombra na parede, mas o robô não se mexeu, aparentava que estava à espera de uma ordem.

O velho compreendeu que estava sendo testado, provavelmente se não desse a ordem seria seu fim. Então, contra sua vontade abriu a porta da habitação 41.

O ferramenta dentro da habitação levou um susto com a porta se abrindo, o coitado derrubou o livro e os objetos cilíndricos pelo chão. O filhote, como fora programado, se manteve estudando.

O ferramenta começou a chorar e abraçou o filhote. 441 sentia o aperto na garganta mais forte que nunca, com muita dificuldade levantou o braço e digitou a ordem para o pacificador.

O Robô anunciou “Ato de violação 030 prepare-se para ser concertado”,  rápido e preciso aprisionou o ferramenta em uma cela de luz e o teletransportou.

441, ainda com aperto na garganta, olhava para o filhote que ficara sozinho estudando. Não pôde deixar de pensar  o que acontecia com filhotes que perdiam seus guardiões? Não tinha aprendido isso no treinamento, pensando bem nunca tinha feito nenhum treinamento, simplesmente um dia tinha todas as habilidades necessárias para se tornar um controle e caçar ferramentas defeituosas.

Os pensamentos de 441 foram interrompidos pelo anúncio do robô “Ato de violação 349 prepare-se para ser reprogramado”. Foi aprisionado pelo robô e percebeu que iria ser teletransportado.

Procurou com os olhos o filhote, mas não o encontrou, entrou em desespero e começou a tentar escapar da prisão de luz. Sua insubordinação resultou em um choque terrivelmente forte que o derrubou no chão.

Com a visão levemente embaçada, ele finalmente avistou o filhote que havia largado o tablet e mexia curioso com os objetos cilíndricos e coloridos. O aperto na garganta voltou e finalmente pela primeira vez em sua vida o velho 441 chorou.

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *